HTML 5 e CSS 3

Estão falando muito das novas especificações HTML 5 e CSS3. Muito alvoroço sobre os novos padrões que prometem muitas possibilidades para o desenvolvimento de interfaces web.

No meio disso muitos não estão percebendo que várias conquistas resultantes de muito esforço estão sendo esquecidas. Brigamos muito para que os padrões atuais fossem mais usados, que as interfaces web melhorassem em semântica, acessibilidade. Tudo isso conseguindo através do uso de padrões por desenvolvedores e que eles fossem adotados pelos de browsers, dispositivos e tecnologias assistivas.

Ainda temos muitas páginas na web com layouts em tabelas, mal formatadas e semanticamente desestruturadas. Muitos ainda não sabem desenvolver em HTML/XHTML e CSS e só conseguem criar páginas com a ajuda de editores WYSIWYG.

Fim do XHTML 2 e ascensão do HTML 5

O XHTML foi criado para colocar uma ordem ao caos, usando o parseamento XML as páginas web se tornaram mais organizadas, isso abriu espaço para a semântica de código e de conteúdo uma vez que tags e atributos de foram eliminados. As páginas passaram a ser mais otimizadas e de fácil processamento. O que levou a uma melhoria na renderização de páginas em dispositivos com pouco poder de processamento.

Ainda não é seguro usar as especificações de XHTML e CSS e sua plenitude porque alguns browsers (leia-se Internet Explorer) ainda não dão suporte pleno a esses padrões.

Há um tempo atrás os novos padrões XHTML 2 e  HTML 5 foram propostos e com isso surgiram dois grupos de desenvolvimento separados. Não entendi bem a necessidade da criação de dois novos padrões e aposto que muitos não entenderam também. O que era esperado acabou acontecendo até antes do previsto com o anuncio da W3 sobre o fim do grupo de trabalho do XHTML 2 no final de 2009.

Agora estamos assistindo a ascensão do HTML 5, que vem trazendo muitas novidades como estruturas semânticas, validação de formulários, mas ao mesmo tempo existe um seguimento excitado com a volta das más práticas do HTML 4 tais como:  codificação em letras maiúsculas, atributos sem valor, case-insensitive etc.

É possível codificar o HTML 5 usando o parseamento do XHTML, esta metodologia está sendo denominada de XHTML 5. Então porque não usar?

Estou vendo muitos exemplos das novas funcionalidades para a validação de formulários com HTML 5 usando atributos sem valores e tags em letras maiúsculas. Isso é um fato que me preocupa bastante porque se os disseminadores da tecnologia continuarem a divulgá-la ignorando as boas práticas de codificação teremos um problema sério em um futuro próximo.

CSS3

No CSS3 a criação de propriedades proprietárias na implementação da linguagem em Browsers pode estar gerando outro problema. Estão sendo usados prefixos como webkit Mozilla. Porque não estão sendo usadas as propriedades com o nome proposto sem o sufixo?

Até hoje sofremos na implementação de JavaScript em diferentes browsers. Será que essa novela irá se repetir com o CSS3?

Ainda estamos no começo

Os browsers ainda estão dando suporte parcial a HTML 5 e CSS 3. Isso não nos impede de começarmos a testar as suas novidades, mas ainda em nível experimental ou fornecendo alternativas a funcionalidades que ainda não são suportadas em outros browsers.

Opera, Firefox e Browsers Web Kit já estão dando suporte parcial a alguns recursos. A Microsoft ainda está trabalhando na nova versão do Internet Explorer prometendo dar um suporte aos padrões.

À medida que testo os novos padrões estarei publicando exemplos aqui no blog.

Se quiser se inteirar mais no assunto visite alguns links interessantes:

Especificação do HTML 5 (ainda em progresso)

Introdução ao CSS3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.